Um girassol sem Sol

Atualizado: 28 de Jan de 2020

Filho de uma semente bastada, 

Em uma terra largada, porém mui fértil.

El girassol crescia.

Sozinho em um, armazém velho

Onde gentileza e amor se ausentaram-se de lá.

Se nutria das pequenas gotas de chuva,

Que milagrosamente passavam pelos buraquinhos do telhado.

Buraquinhos que transpassavam luz suficiente pra que ele crescesse.

Entre a falta de cuidado e a sobrevivência.

Cresceu feio desengonçado

Qualquer um diria:

– Que horror, senhor!

Mas havia sua beleza.

Uma inexplicável resistência

E tamanha vontade de viver.

Mesmo abundante de ausência.

Certa vez, em uma manhã de segunda, 

Um terremoto deu- se por lá.

E após horas de tremores, 

o velho armazem caiu ao chão.

Foram horas terríveis para o

Pequeno girassol,

Mas incrivelmente estava ele lá,

Arranhões e cortes, porém vivo.

E pela primeira vez vendo a luz do dia.

Magneticamente foi conduzido a uma luz forte,

E entre encantamento e temor

Apaixonou-se a primeira vista por ele: 

O Sol.

El girassol não soube o que era a gentileza das gotas vindas da chuva abundante,

E não foi cuidado diariamente pelos raios do Sol, 

Mas resistiu a vida toda para amar e deixar ser amado pelo Sol.

Agora já não era mais sozinho

Já não sobrevivia mais,

Pois agora ele vivia.



1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Fonte

face.png
insta.png
ttr.png

Raiva Sacra... Uma Mulher e dois Olhos de Trovão.

Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer arte, desenho ou texto dele não pode ser reproduzido ou usado de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor ou editor, exceto pelo uso de citações breves em uma resenha ou com os devidos créditos. O conteúdo deste site é pessoal, qualquer interesse de uso ou parceria, entrar em contato com a autora pelo e-mail: bi.ortega.f@gmail.com