Poesia de um caderno velho.

Atualizado: 28 de Jan de 2020


É o sufoco da alma que nos faz poetas.


E escrevo por amor.


Perdidamente invocando o que há.


Absurdamente sonhando.


Aprisionada no querer.


Sufocada por saber.

A sinceridade me toma por completo, ai me calo.



Não há vocação sem vontade.


Não há medo, sem renuncia.


E eu renuncio.


A vida é feita de renúncias feitas por amor.


Tomo o lápis a mão,

E me ponho a escrever.

Renunciando aos desejos da alma.

Me entregando ao amor.

Que a poesia nos afete e a sensibilidade nos preencha.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Fonte

face.png
insta.png
ttr.png

Raiva Sacra... Uma Mulher e dois Olhos de Trovão.

Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer arte, desenho ou texto dele não pode ser reproduzido ou usado de forma alguma sem autorização expressa, por escrito, do autor ou editor, exceto pelo uso de citações breves em uma resenha ou com os devidos créditos. O conteúdo deste site é pessoal, qualquer interesse de uso ou parceria, entrar em contato com a autora pelo e-mail: bi.ortega.f@gmail.com